Ex-cortador de cana com a prima na formatura dele em medicina pela UPE (Foto: Arquivo pessoal/Flaviana Maria)Ex-cortador de cana com a prima na formatura dele em medicina pela UPE (Foto: Arquivo pessoal/Maria Eduarda Lopes)
Um dos sete filhos do pedreiro José Lopes, de 63 anos, e da dona de casa Edileusa Maria, de 59, o agora médico Jonas Lopes trabalhou como cortador de cana até os 15 anos. Nascido em Palmares, Mata Sul de Pernambuco, Jonas morou até 2006 em Joaquim Nabuco. Hoje com 30 anos, o futuro cardiologista garante ao G1: "o que me move é o conhecimento e ajudar as pessoas".
Ele é o primeiro da família a ter curso superior, mas acredita que no futuro os irmãos irão seguir o mesmo caminho. "Agora eu só quero ajudar meus pais, dar orgulho a eles e aos meus irmãos e continuar exercendo meu amor pela medicina, distribuir esse amor para os meus pacientes. Também quero estudar, estudar e nunca parar", afirmou.
Jonas se tornou médico de fato e direito na quarta-feira (29) - dia da colação de grau. Ele disse que não conseguiu segurar a emoção no momento em que foi homenageado pelos colegas.

"Tivemos uma colação antecipada no dia 17 de junho, que foi para pegar o registro do Cremepe [Conselho Regional de Medicina de Pernambuco]. Na solenidade oficial, na hora do discurso da oradora, ela disse: 'Jonas, levante'. Em seguida, falou um breve histórico da minha vida, me parabenizou e todos os meus colegas me aplaudiram. Não aguentei e chorei demais", revelou.

O médico, que desde de criança ajudava a mãe a cortar cana, trabalhou na zona rural de Joaquim Nabuco dos 12 aos 15 anos. Foi também durante a infância que veio o sonho de cursar medicina. Desde pequeno Jonas gostava de ciências. Devido às dificuldades pelas quais a família passava, pensou em ser professor, porque - para ele - seria mais fácil. "Mas eu ficava admirando o trabalho de médico. Sempre tive a medicina no coração", falou.
Jonas Lopes é ex-cortador de cana se formou em medicina pela UPE na quarta-feira (29) (Foto: Arquivo pessoal/Maria Eduarda Lopes)Jonas Lopes se formou em medicina pela UPE
(Foto: Arquivo pessoal/Fábio Floriano)
Entre os anos de 1998 e 1999, o médico parou de estudar. Ao G1, ele disse que esta "parada" nos estudos foi um momento de rebeldia. "Eu recomecei em 2000. Na verdade, eu caí na real. Ver minha mãe trabalhando no engenho, sofrendo… Ela tinha que comprar os meus cadernos e dos meus irmãos ou comida para dentro de casa. Quando eu vi esse sofrimento dela, decidi que jamais iria parar de estudar. O céu não é nem o meu limite. Eu amo estudar", explicou Jonas.

O recém-formado também trabalhou dando aulas de de reforço, em casas de jogos e carregando frete na feira. No ano de 2006 ele fez o vestibular de medicina e passou só na primeira fase.
Em 2007, Jonas começou a se preparar para o vestibular da Universidade de Pernambuco (UPE), que oferecia vagas exclusivas para estudantes de escolas públicas. "Eu conheci o sistema de cotas da instituição e vi que tinha como entrar por ele, já que eu sempre estudei por escola pública. Esse sistema de cotas foi minha esperança", lembrou o médico.
Aprovação na UPE
Jonas tentou entrar na universidade por três anos. Em 2006 ele estudou sozinho e não conseguiu a aprovação. No mesmo ano ele juntou o dinheiro do trabalho para ir morar no Recife com a irmã. De 2007 até 2009 - ano no qual foi aprovado - ele cursou pré-vestibular e estudava de dez a 12 horas por dia.
O médico recém-formado conseguiu assistência moradia e alimentação como bolsa da UPE e morou durante seis anos na Casa do Estudante de Pernambuco. "Fui monitor de inglês na casa, ganhei bolsa de iniciação científica e extensão universitária", disse.
Em 2014 Jonas começou a estagiar em uma unidade de saúde de Joaquim Nabuco. Com o estágio ele ajudava na renda dos pais. "Eu ficava atendendo e passava os casos para o médico plantonista, que é como é regulamentado pelo código de ética médica", lembrou.
Fonte: G1
Participação de causas naturais (vermelho) e causas externas (amarelo) na morte de crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos, em 2013 (Foto: Reprodução)Participação de causas naturais (vermelho) e causas externas (amarelo) na morte de crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos, em 2013 (Foto: Reprodução)
A Fortaleza é a capital brasileira com maior índice de homicídios de violência contra crianças e adolescente. Em 2013, foram 267,7 homicídios para 100 mil pessoas na faixa etária. Em 2003, essa taxa era de 23,5, o que significou um aumento de mais de 1.000% em uma década.
No Brasil, a violência matou uma criança ou adolescente a cada 24 minutos, em média, em 2013. Ao longo de todo o ano, 22.041 jovens morreram por "causas externas" – termo que inclui homicídios, suicídios, acidentes e outras ocorrências não naturais. Na comparação com 1980, a alta é de 34%.
Os dados foram revelados nesta quinta-feira (30) pelo relatório Violência Letal Contra as Crianças e Adolescentes do Brasil, elaborado pelo sociólogo e coordenador do Mapa da Violência, Julio Jacobo Waiselfisz. O estudo mostra que o Brasil tem conseguido reduzir as mortes de crianças e adolescentes por causas naturais, mas enfrenta dificuldades para diminuir a violência que atinge esse grupo.
As tabelas mostram que o quadro geral de violência permaneceu estagnado, em média, ao longo das últimas décadas. Em 1993, causas externas resultaram na morte de 22.013 menores de idade – 28 a menos que em 2013. Enquanto o índice de acidentes fatais caiu cerca de 30%, os homicídios contra a infância e a adolescência cresceram 77,5% no período.
No período em que os dados foram compilados (entre 1980 e 2013), o Brasil perdeu 689,6 mil crianças e adolescentes para a violência, e 3,8 milhões para causas naturais.
Os dados apontam, ainda, que o homicídio é maior entre jovens de 16 e 17 anos. Em 2013, eles foram vítimas de 1 em cada 3 assassinatos de menores de idade.
O texto cita o homicídio de crianças e adolescentes como "o calcanhar de Aquiles dos direitos humanos no país, por sua pesada incidência nos setores considerados jovens ou de proteção específica: crianças, adolescentes, jovens, idosos, mulheres, negros etc".
Os números representam uma taxa de mortalidade de 16,3 crianças e adolescentes para cada 100 mil habitantes na mesma faixa etária. Em uma comparação de 85 países, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupa a terceira posição. Apenas México (26,7) e El Salvador (17,5) têm taxa de homicídios mais elevada.
Evolução das taxas de homicídio contra crianças e adolescentes de até 19 anos, entre 2000 e 2013 (Foto: Reprodução)Evolução das taxas de homicídio contra crianças e adolescentes de até 19 anos, entre 2000 e 2013 (Foto: Reprodução)
Violência com foco
Os dados detalhados revelam que a violência contra os jovens tem "alvos preferenciais". No primeiro ano de vida, 97,1% das mortes de crianças acontecem por causas naturais. O quadro vai se invertendo lentamente e, aos 18 anos completos, 77,5% das mortes têm causas externas e 48% são homicídios.
A violência também incide com mais intensidade sobre os homens jovens, vítimas de 9 em cada 10 homicídios. Consideradas as proporções populacionais, os jovens negros de 16 a 17 anos morreram três vezes mais que os brancos da mesma idade.
A unidade da federação com a maior disparidade entre negros e brancos foi o Distrito Federal. Em 2013, proporcionalmente, mais de dez crianças e adolescentes negros morreram para cada branco.
Nas considerações finais, o relatório aponta que as taxas de homicídios verificadas no Brasil, contra vários grupos sociais, superam níveis considerados alarmantes para a saúde pública em outros assuntos – pandemias e mortes em zona de conflito, por exemplo.
"Se o assassinato de qualquer ser humano, seja criança, adolescente, jovem, adulto ou idoso já é inaceitável, que qualificativo merecem muitas de nossas taxas de homicídio que superam, de longe, o que é considerado nível epidêmico; que superam, também de longe, o que é considerado pela OMS uma pandemia mundial?", questiona o texto.
O estudo também questiona o uso das estatísticas de criminalidade juvenil como argumento em favor da redução da maioridade penal, em discussão no Congresso. "Esquece-se, de forma muito conveniente, que não foram os adolescentes que construíram esse mundo de violências e corrupção. Esse está sendo nosso legado. Será que devem ser eles a pagar a conta?", diz.
Fonte: G1
Família promove café da manhã para socorristas do Samu (Foto: Leandro Silva/G1)Família promove café da manhã para socorristas do Samu (Foto: Leandro Silva/G1)
A família do estudante Rômulo Gonçalves dos Santos,17, salvo por socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), promoveu um  café da manhã na sede do órgão nesta sexta-feira (1º).
Segundo o policial militar e pai do adolescente, Valdo Roberto dos Santos Pereira, essa foi uma maneira de seu filho agradecer pessoalmente aos médicos que o salvaram. "No dia do acontecido, Rômulo estava desacordado e não teve a oportunidade de conhecer e poder agradecer aos anjos enviados por Deus que o salvaram", afirma.
Conforme Valdo Roberto, no dia 12 de maio Rômulo passou mal no colégio, com dores de cabeça e calafrios. Após buscá-lo para levar ao médico, o estudante teve seu quadro agravado durante o percurso e deu entrada na unidade hospitalar em estado grave, desmaiado e apresentando convulsões.
Jovem conhece médico que o salvou (Foto: Leandro Silva/G1)Rômulo agradeceu ao médico Rosivan Carlos
(Foto: Leandro Silva/G1)
De acordo com Valdo, os médicos do local suspeitaram de meningite e sugeriram que o jovem fosse transferido, mas o hospital não tinha ambulância, então o policial conseguiu apoio dos socorristas da VTR do Samu U.S.A 95. "No primeiro contato o doutor Rosivan olhou para mim e minha esposa e disse que iria assumir o caso e que a gente não se preocupasse, pois meu filho não iria morrer", disse.
Após as palavras de conforto, o policial conta que o médico Rosivan e sua equipe o acompanharam durante todo o atendimento, inclusive passando do horário e só sairam do local após o estado do seu filho ser estabilizado. "Se hoje meu filho está vivo é por causa da equipe do Samu, que me ajudou no momento que mais precisei", afirma.

Para o médico Rosivan Carlos da Costa, 34, que trabalha a 10 anos no Samu, poder ajudar a salvar uma vida é a maior recompensa. "Nosso maior agradecimento é saber que o paciente está bem, porque esse é o dom que nos foi dado por Deus e é através dele que atuamos".
Rômulo e sua família levaram um bolo de agradecimento para o Samu (Foto: Leandro Silva/G1)Rômulo e sua família levaram um bolo de agradecimento para o Samu (Foto: Leandro Silva/G1)
Fonte: G1
Fábio Tiepolo, CEO da Docway

Uma novidade no mundo dos aplicativos vai ajudar você a cuidar da sua saúde sem sair de casa. O Docway é um aplicativo que te permite chamar um médico com a mesma facilidade de pedir um táxi, seria a “Uber da saúde”.
Para usá-lo basta baixar o aplicativo (disponível para Android e IOS), cadastrar-se, encontrar um médico da especialidade (e do preço) desejada(o) e agendar a consulta.
Em caso de emergência, o usuário não vai escolher o médico, contudo o Docway garante que um especialista vai bater na sua porta em no máximo três horas. Nessa situação o preço será fixo: R$ 200.
O aplicativo, lançado ano passado em Curitiba, acaba de chegar a São Paulo. O sistema já foi lançado em Belo Horizonte e Manaus - mas já há alguns médicos cadastrados em 40 cidades diferentes. Ainda este ano, ele vai chegar em Goiânia, Florianópolis, Porto Alegre e Salvador.
O Docway conta com cerca de mil médicos cadastrados. Cada um deles define o tamanho da área na qual atua na cidade, o preço da consulta e disponibiliza sua agenda.
Com a sua expansão, será possível marcar consultas de emergência, com apenas uma hora de antecedência e os criadores planejam integrar o Docway ao Uber. Dessa forma, o médico poderá ir à consulta de Uber, e o preço da corrida já seja automaticamente acrescido ao da consulta.
DIVULGAÇÃO
Os criadores do serviço planejam integrá-lo ao Uber. Assim, o médico irá à consulta de Uber e o preço da corrida será automaticamente acrescido ao da consulta

Pagamento
O usuário paga o serviço pelo próprio aplicativo, por cartão de crédito. Caso o paciente possua plano de saúde poderá pedir reembolso.
Especialidades
O aplicativo é especialmente útil para encontrar médicos de família, pediatras, clínicos gerais e obstetras.
Avaliação
Após a consulta, é possível que o paciente avalie o médico. Os profissionais da saúde que mais atenderem e aqueles que forem melhor avaliados vão aparecer primeiro na hora da busca. Já os médicos mal avaliados serão descadastrados.
Fonte: O POVO Online
O Android Nougat, da Google, estará disponível a partir de setembro

Nesta última quinta-feira, 30, a empresa Google divulgou o novo sistema operacional que vai funcionar em smartphones e tablet, o Android Nougat. De acordo com a empresa, a novidade vai funcionar a partir de setembro deste ano.
Esta será a edição 7.0 do sistema. O Android Nougat não traz modificações tão expressivas, mas não deixa de ter recursos interessantes como o de tela dividida. O sistema também possui recursos "gamer", ferramentas multitarefas e uma nova plataforma de realidade virtual.
Veja o vídeo de lançamento:

Curiosidade:
Nougat um doce tipicamente europeu feito à base de nozes.
Confira os nomes dos antigos sistemas operacionais
Android 7.0 Nougat
Android 6.0 Marshmallow
Android 5.0 Lollipop
Android 4.4 Kitkat
Android 4.1 Jelly Bean
Android 4.0 Ice Cream Sandwich
Android 3.0 Honeycomb
Android 2.3 Gingerbread
Android 2.2 Froyo
Android 2 Eclair
Android 1.6 Donut
Android 1.5 Cupcake

Fonte: O POVO Online

Cacau Colucci mostra cicatriz (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)Cacau Colucci mostra cicatriz
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
A ex-BBB Cacau Colucci fez uma revelação surpreendente ao EGO nesta sexta-feira, 1º. A loira contou que durante um check-up de rotina em março deste ano descobriu que estava com câncer de tireóide. "Quando abri o resultado dentro do carro, no farol, quase tive um treco. O chão sumiu.' Caramba, estou com câncer', pensei. Fui ao médico e ele me disse que eu tinha 98% de chance de cura, que era o câncer mais leve que existe. Era um tumor de um centímetro", relembra ela, que preferiu não contar nada para a família, que mora em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.
"Fiz isso por amor a eles. Escondi da minha família e só contei depois que eu operei. Segurei a onda sozinha para não preocupar ninguém", relembra ela, que dividiu seu drama apenas com a secretária, Vera, que trabalha em sua casa nos Jardins, em São Paulo. "Ela me abraçou e choramos juntas, é como uma mãe pra mim", relembra Cacau, que tinha posado nessa época para o Paparazzo.

"Meu ensaio no ar, todo mundo escrevendo para me elogiar e ninguém sabia o que eu estava passando. Fiquei me culpando, querendo descobrir se eu tinha feito algo errado para ter isso, mas o médico me tranquilizou, disse que não tem explicação e não tenho culpa, que deve ser genético. Nunca tomei anabolizantes e sempre me alimentei bem. Inclusive, vinha ficando mais rouca e era a doença que estava causando isso, e as pessoas dizendo que era bomba."
Risco de metástase
Assim que descobriu que tinha um tumor maligno, o médico de Cacau pediu um ultrassom de pescoço e falou do risco de metástase. "Ele disse que geralmente quando o câncer de tieroide tem metástase, o primeiro lugar onde aparecem nódulos é o pescoço", diz ela, que acabou descobrindo outro nódulo na região. "Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida. Tinha um nódulo, aí fizemos biópsia e era benigno. Acordava de manhã e ficava pensando que não era possivel que aquilo estava acontecendo comigo."

Cacau disse que a fé ajudou e que não pensou que fosse morrer. "Tenho muita fé, mas estava passada. O que tiver de passar, vai ser sempre com coragem, vou enfrentar. Minha esperança era de sarar. Encarei com força."
Cacau Colucci mostra cicatriz (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)Cacau Colucci mostra cicatriz
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
Operação e cura
Quinze dias depois de descobrir o câncer, Cacau foi impedida de operar por causa dos apliques no cabelo"O médico se esqueceu de me avisar e adiamos em uma semana. Mas depois a cirurgia foi tranquila, se eu te disser que sofri fisicamente, estarei mentindo. Não senti nada," diz ela, que retirou a tireoide. Agora, se diz curada. "A médico disse que estou curada, mas tenho que ficar checando a cada seis meses e fazendo exames.
Mas não preciso fazer quimioterapia."  A cicatriz no pescoço Cacau tem disfarçado com maquiagem e sessões de laser.
Agora, a ex-BBB tem que tomar hormônio todos os dias de manhã. "Não tenho mais tireoide, então tenho de tomar hormonio sintético pelo resto da vida. Cada dia da minha vida agora tem muito mais valor. Quando tomo esse remédio eu agradeço a vida."
Só depois que operou Cacau contou para a mãe. "Ela chorou muito. Mas fiz isso por amor, só contei quando eu estava bem. Não queria mesmo preocupá-la", emociona-se.
'Não me penalizei'
Cacau conta que sente alterações físicas por causa do ajuste hormonal. "Estou bem, trabalhando, mas às vezes tenho calor, frio, meus hormônios estão um pouco atrapalhados. Às vezes fico sololenta, tenho arritmia cardíaca. Mas faço musculação e estou trabalhando normalmente", diz ela, antes de ponderar: "Mas isso é o de menos. No hospital vi um monte de criança com câncer e o meu era mais leve. Saí de lá agradecendo a Deus, e não me penalizando. Fiquei agradecida pelo meu ter sido leve e por ter saído curada. Agradeci muito."
Cacau diz que tinha medo de as pessoas acharem que ela não poderia voltar a trabalhar. "Quem me conhece e gosta de mim é que me importa. Estudei tanto (Cacau é formada em Letras por uma universidade federal e pós-graduada) e as pessoas vão no Instagram dizer que não sei ler. Ninguém sabe da nossa batalha, do nosso coração. Minha preocupação era de acharem que eu não seria capaz de conseguir voltar a trabalhar porque as pessoas são muito crueis."
Cacau se diz mudada depois da experiência. "Fui muito abençoada por ter me curado. Agora me aceito mais, não quis mais usar unha postiça nem aplique, não me importo mais com o que as pessoas falam. Quero ser eu mesma, o mais natural possível, feliz e dando valor a coisas simples. Quero ficar perto da minha família e das pessoas que gostam de mim porque é isso o que importa. E é como o símbolo da Fénix que tenho tatuado nas costas. Hoje sei que dá para renascer várias vezes na vida."
Cacau Colucci  (Foto: Reprodução / Instagram)Cacau Colucci (Foto: Reprodução / Instagram)
Fonte: Ego
Homem foi encontrado morto em Itanhaém, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Homem foi encontrado morto em Itanhaém, SP (Foto: Arquivo Pessoal)












A mulher suspeita de matar um homem com quem mantinha um relacionamento confessou o crime à família da vítima logo após o homicídio, que aconteceu em Itanhaém, no litoral de São Paulo, na última terça-feira (28).
Segundo a Polícia Civil, Vancleves da Silva Lima, de 40 anos, foi até a casa de Joelina Nascimento Lima, de 42 anos, para terminar o relacionamento entre os dois. No entanto, na manhã de quarta-feira (29), Vancleves não tinha voltado para casa, e sua família entrou em contato com a Polícia Militar.
Chegando na residência da suspeita, na Rua José Manoel Lorenzo Leiro, no bairro Nova Itanhaém, os policiais encontraram o corpo da vítima.
Nas mensagens enviadas por meio do aplicativo de celular WhatsApp, e que foram obtidas com exclusividade pelo G1, Joelina conta para um sobrinho de Vancleves que matou o homem.
"Discutimos e nos agredimos. Tínhamos bebido. Sempre tinha uma faca ao lado da cama, no caso de alguém tentar entrar em casa. Perdi a cabeça. Chamei a polícia, mas ela não tinha chegado. Então, saí sem rumo", escreveu Joelina.
O parente da vítima ainda tenta acalmar a mulher, perguntando onde ela estava e afirmando que a ajudaria a ir até uma delegacia.
"Olha, tudo vai se resolver. Não precisa se preocupar tanto. Tenha fé", disse.
O caso foi registrado no 3º Distrito Policial de Itanhaém, e o delegado Jaime Marcelo da Fonte Nogueira investiga o caso. Apesar de ter falado, via WhatsApp, que iria se entregar, Joelina fugiu e, até a manhã desta sexta (1º), não havia sido encontrada pela polícia.
Suspeita confessou crime para familiares de vítima por meio do WhatsApp (Foto: G1)Suspeita confessou crime para familiares de vítima por meio do WhatsApp (Foto: G1)
Fonte:G1
André Felipe foi encontrado morto dentro de banheiro (Foto: Reprodução/Facebook)André Felipe foi encontrado morto dentro de banheiro (Foto: Facebook/Reprodução)
Um rapaz de 24 anos foi encontrado morto dentro de um banheiro em uma festa de formandos de Medicina em Montes Claros (MG), nesta sexta-feira (1º). Um adolescente de 17 anos foi apreendido depois de confessar para as Polícias Civil e Militar que assassinou André Felipe Colares. Inicialmente, ele negou o crime.
O subtenente Celestino Rocha informou que a Polícia Militar foi acionada por volta das 6h para atender a uma ocorrência de estupro, na qual a vítima era o menor. Mas, ao chegarem a chácara onde o evento estava sendo realizado, os PMs foram informados de que havia um jovem morto no banheiro, irmão de um dos formandos.
De acordo com a PM, o rapaz apresentava um corte no pescoço e os olhos perfurados com palitos, além de outros ferimentos. Ele estava com as calças e a cueca abaixadas. Ao lado do corpo, havia cacos de vidro e uma embalagem semelhante a usada para acondicionar maconha. A perícia esteve no local e apreendeu roupas e uma garrafa de bebida. Familiares disseram que André Colares era homossexual.

“O adolescente falou que durante a noite se envolveu com dois rapazes, e depois os três entraram em luta corporal. Ele levou uma pancada na cabeça, ficou desacordado e acordou com as calças arriadas até o joelho. Aprofundando os levantamentos constatamos juntamente com a Polícia Civil que o adolescente era o autor do homicídio”, explica o subtenente.
Vários policiais civis e militares estiveram no local do crime (Foto: Michelly Oda/G1)Vários policiais civis e militares estiveram no local
do crime (Foto: Michelly Oda/G1)
O menor estava com um corte no dedo e, antes de confessar o crime, justificou que o ferimento foi causado pela faca que um dos supostos abusadores usava para ameaçá-lo. Disse também que morava na Bahia e que um primo o convidou para ir à festa. O adolescente ainda afirmou que havia ingerido bebidas alcoólicas, que toma remédios para depressão e que havia se relacionado com três mulheres durante a festa.

“Posteriormente ele confessou e falou que teve um desentendimento com a vítima. O vaso sanitário foi arrancado do local, subentende-se que houve uma briga violenta dentro do local”, fala Celestino Rocha. O motivo da discussão não foi esclarecido pelo menor, que afirmou que daria detalhes somente na presença do advogado dele.

Após confessar, o adolescente não informou se ele e André tiveram relações sexuais. Apesar dele estar sem a cueca, e uma cueca ter sido apreendida ao lado do corpo, a PM afirmou que somente a perícia poderá apontar se a peça íntima é do menor e se eles mantiveram relações. O adolescente foi levado para a delegacia, onde prestará depoimento.

A comissão de formatura irá se reunir para decidir se as outras comemorações serão mantidas. Um irmão da dona da chácara onde a festa acontecia disse que ela estava passando mal e precisou ser medicada. O G1 não conseguiu falar com a mulher.

Marcas de sangue
Em uma escola que funciona na frente da chácara onde o crime aconteceu foram encontradas marcas de sangue. Mas a polícia acredita, pela forma como as marcas estão no chão, que o sangue era de alguém que tentou cometer um furto no local.
Unimontes
Em nota, a Universidade Estadual De Montes Claros disse que lamenta profundamente a morte do ex-aluno, que foi da turma de 2013 do curso de Administração.
"Professores, pesquisadores e servidores do Departamento de Ciências da
Administração também manifestam indignação com a morte do seu ex-aluno, que
presidiu de forma dinâmica o Centro Acadêmico do curso e a Empresa Júnior de
Administração. A Reitoria e a comunidade acadêmica repudiam toda ação de violência e
discriminação e se solidarizam com os familiares e amigos do ex-aluno', diz a nota.
Fonte: G1
 
"Os Oito Odiados", longa mais recente de Quentin Tarantino, entra no catálogo

As sete temporadas de Gilmore Girls, a quarta temporada deAmerican Horror Story: Freak Show e as continuações deThe Blacklist, Orphan Black e Modern Family estarão no aplicativo. Produções originais também serão sequenciadas, como Marco Polo eBoJack Horseman.
Filmes também entram para o catálogo. Os Oito Odiados, Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas e Alvo Duplo, são alguns dos nomes.
Confira a lista completa das novidades que a Netflix preparou para julho:
Filmes
Tallulah – 29/07/2016
Enquanto procura seu ex-namorado, uma jovem andarilha, interpretada por Ellen Page, sequestra o bebê e finge que é o seu próprio filho. O filme, original da Netflix, conta com Allison Janney, Zachary Quinto e Uzo Aduba no elenco.
Os Oito Odiados – 09/07/2016
Após a Guerra Civil Americana em Wyoming, um grupo de caçadores de recompensas procura refúgio durante uma tempestade, mas se envolvem em uma história de traição e engano. O filme mais recente de Quentin Tarantino chega à Netflix a partir de 9 de julho.
Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas – 01/07/2016
O capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) conhece a misteriosa Angélica (Penélope Cruz), seu par perfeito. Ela o obriga a acompanhá-la em uma aventura desenfreada, que vai levá-lo a bordo do navio do temível pirata Barba Negra, para procurar a Fonte da Juventude. Disponível logo em 1° de julho.
FOTO/DIVULGAÇÃO
Com Penélope Cruz e Johnny Depp, o filme entra na Netflix no dia 1º de julho
E ainda:
Brahman Naman – 06/07/2016
Rebirth – 15/07/2016
Crô: O Filme – 01/07/2016
Muita Calma Nessa Hora – 05/07/2016
Olga – 05/07/2016
O Diário de Tati – 05/07/2016
Colegas – 01/07/2016
Grown Ups 2 – 23/07/2016
Motoqueiro Fantasma: O Espírito de Vingança – 26/07/2016
Um Amor a Cada Esquina – 15/07/2016
In A World… – 2/07/2016
Drinking Buddies – 29/07/2016
White House Down – 31/07/2016
Séries: 
American Horror Story: Freak Show (4ª temporada) – 01/07/2016
Esta temporada da série de terror se passa na Flórida da década de 1950. Uma companhia de artistas instala suas barracas no povoado de Júpiter. Sua chegada coincide com uma série de ataques mortais contra os habitantes do lugar.

Modern Family (6ª temporada) – 01/07/2016
Os recém-casados Cameron e Mitchell descobrem que ao terminar sua lua de mel iniciarão uma complicada vida de casal.
Gilmore Girls (1ª a 7ª temporada) – 01/07/2016
As sete temporadas da série americana de enorme sucesso nos anos 2000 estarão disponíveis na Netflix em 1° de julho. A história mostra o vínculo único entre Lorelai Gilmore, uma mãe solteira, e sua precoce filha adolescente, Rory.

Orphan Black (4ª temporada) – 15/07/2016
Nesta série original da Netflix, uma misteriosa personagem faz com que Sarah saia do seu esconderijo e que as irmãs descubram uma nova e poderosa ameaça. Elas vão conhecer os limites do seu pacto.
E mais:
Stranger Things (1ª temporada) – 15/07/2016
Marco Polo (2ª temporada) – 01/07/2016
Between (2ª temporada) – 01/07/2016
Degrassi: Next Class (2ª temporada) – 22/07/2016
Marcella (1ª temporada) – 01/07/2016
Bojack Horseman (3ª temporada) – 22/07/2016
Kuromukuro (1ª temporada) – 04/07/2016
Magi: The Adventures of Sinbad (1ª temporada) – 14/07/2016
Sons of Anarchy (7ª temporada) – 01/07/2016
Homeland (4ª temporada) – 01/07/2016
The Blacklist (3ª temporada) – 08/07/2016
Documentários e especiais
Last Chance U – 29/07/2016
O documentário original da Netflix mostra como atletas de elite se esforçam para manter o ritmo em uma equipe campeã de futebol americano de uma universidade pública, enquanto enfrentam circunstâncias difíceis da vida.
Outras inclusões:
Jim Jefferies: Freedumb – 01/07/2016
Tony Robbins: I Am Not Your Guru – 15/07/2016
Olhos Bem Abertos – 01/07/2016
A Family Affair – 01/07/2016
Ghostheads – 15/07/2016
Infantil
Detona Ralph – 01/07/2016
A história de Ralph, o Demolidor, que sonha em ser querido pelas pessoas e deixar de ser o vilão do seu jogo de videogame. Contudo, ele se transforma em um herói que vai enfrentar um terrível inimigo, mais demolidor do que ele.

Tem também:
Girl Meets World (2ª temporada) – 01/07/2016
A Casa do Mickey Mouse (5ª temporada) – 01/07/2016
Julius Jr. (2ª temporada) – 01/07/2016
Festa de Palavras (1ª temporada) – 08/07/2016
As Aventuras do Gato de Botas (3ª temporada) – 15/07/2016
Popples (3ª temporada) – 24/07/2016
Nossa Casa: As Aventuras de Tip e Oh (1ª temporada) – 29/07/2016
Lego Bionicle: Jornada Épica (2ª temporada) – 29/07/2016
Fonte:O POVO 





Soldado Antônio Alves, sargento Guanabara e cabo Joel morreram em confronto com criminosos

Os policiais militares identificados como cabo Joel, soldado Antônio Alves e sargento Guanabara foram mortos no começo da noite de ontem ao tentar impedir assalto a carro-forte, no distrito de Juatama, em Quixadá (a 158 quilômetros de Fortaleza). A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) confirmou a morte de três policiais, mas não especificou os nomes das vítimas.
 
De acordo com a Associação dos Cabos e Soldados do Estado do Ceará, com as três mortes, sobe para 14 o número de policiais mortos no Ceará neste ano. O número do primeiro semestre deste ano já é o mesmo de todos os casos registrados em 2015. 
 
Conforme a SSPDS, no início da noite de ontem, dois policiais militares foram feitos reféns e liberados em seguida, sem ferimentos. Um quinto policial militar foi ferido na perna e encaminhado ao Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza. A Polícia continua o cerco na região em busca dos criminosos. Um helicóptero da Ciopaer (Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas) esteve na aérea e reforços de policiais também foram deslocados para o local, divulgou a SSPDS.
 
O POVO apurou que a quadrilha estava se reunindo para fazer um assalto a carro-forte. As patrulhas da PM receberam a informação de uma movimentação estranha e, quando chegaram ao local, foram recebidos a bala. Os bandidos usavam uma Hilux na ação criminosa e chegaram a colocar um caminhão para bloquear a via. 
 
Um áudio que seria de um dos policiais feridos na ação mostra angústia do militar ao ver os companheiros mortos. “Estamos na estrada Joatama. Estamos baleados. O Antônio Filho está morto. O Joel está aqui morrendo e eu levei um tiro na perna. Estou sangrando muito. Vem para a estrada da Joatama, cara, socorrer a gente”, pedia o policial que não foi identificado.

CercoDe acordo com o sargento Nácelio Gondim, do Comando Tático Rural (Cotar), do Batalhão de Choque, as patrulhas estavam no pé da serra chamada Pedra dos Ventos, onde as pessoas costumam fazer voos de parapente. Ele ressalta que o lugar foi a última localização em que os suspeitos foram vistos. Gondim disse que duas viaturas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) e duas do Cotar, além do policiamento ostensivo. Outras patrulhas eram aguardadas. A equipe passaria a noite inteira em busca dos suspeitos, em diligências ininterruptas e que só sairiam do lugar quando encontrassem os responsáveis pelo crime, garantiu Gondim. 

O secretário-adjunto da SSPDS, coronel Lauro Prado e o comandante da Polícia Militar do Ceará, Giovani Pinheiro da Silva se deslocaram até Quixadá para atuar na força-tarefa. O governador Camilo Santana (PT) anunciou, em sua página oficial no Facebook, que não descansará enquanto as quadrilhas não forem presas ou expulsas do CE. “Determinei uma força-tarefa para atuar imediatamente no cerco em toda a região no sentido de prender cada um dos criminosos”, divulgou. 

O governador também lamentou as mortes. “Encerro este mesmo dia com a profunda tristeza de receber a informação de que três guerreiros da nossa gloriosa PM tombaram sem vida durante um confronto com bandidos”, ressaltou.
Fonte: Jornal O Povo